Voltar
Formazione Cybersecurity per Aziende | MetaCompliance

Produtos

Descubra o nosso conjunto de soluções personalizadas de formação em sensibilização para a segurança, concebidas para capacitar e educar a sua equipa contra as ciberameaças modernas. Desde a gestão de políticas a simulações de phishing, a nossa plataforma equipa a sua força de trabalho com os conhecimentos e as competências necessárias para proteger a sua organização.

eLearning em Cibersegurança

Cyber Security eLearning para explorar a nossa biblioteca de eLearning premiada, adaptada a cada departamento

Automação da Sensibilização para a Segurança

Programe a sua campanha anual de sensibilização em apenas alguns cliques

Simulação de phishing

Impeça os ataques de phishing no seu caminho com o premiado software de phishing

Gestão de políticas

Centralize as suas políticas num único local e faça uma gestão sem esforço dos ciclos de vida das políticas

Gestão de privacidade

Controlar, monitorizar e gerir a conformidade com facilidade

Gestão de Incidentes

Assuma o controlo dos incidentes internos e corrija o que é importante

Voltar
Indústria

Indústrias

Explore a versatilidade das nossas soluções em diversos sectores. Desde o dinâmico sector tecnológico até aos cuidados de saúde, descubra como as nossas soluções estão a fazer ondas em vários sectores. 


Serviços Financeiros

Criando uma primeira linha de defesa para organizações de serviços financeiros

Governos

Uma solução de sensibilização para a segurança para os governos

Empresas

Uma solução de formação de sensibilização para a segurança para grandes empresas

Trabalhadores à distância

Incorporar uma cultura de sensibilização para a segurança - mesmo em casa

Sector da Educação

Formação de sensibilização para a segurança no sector da educação

Trabalhadores do sector da saúde

Veja a nossa sensibilização para a segurança personalizada para profissionais de saúde

Indústria tecnológica

Transformar a formação em sensibilização para a segurança na indústria tecnológica

Conformidade NIS2

Apoie os seus requisitos de conformidade Nis2 com iniciativas de sensibilização para a cibersegurança

Voltar
Recursos

Recursos

Desde cartazes e políticas a guias definitivos e estudos de casos, os nossos recursos de sensibilização gratuitos podem ser utilizados para ajudar a melhorar a sensibilização para a cibersegurança na sua organização.

Cyber Security Awareness For Dummies - MetaCompliance

Um recurso indispensável para criar uma cultura de ciberconsciência

Guia de Segurança Cibernética para Principiantes Elearning

O melhor guia para implementar uma aprendizagem eficaz sobre cibersegurança

Guia definitivo para phishing

Educar os funcionários sobre como detetar e prevenir ataques de phishing

Cartazes de consciencialização gratuitos

Descarregue estes cartazes gratuitos para aumentar a vigilância dos empregados

Política anti-phishing

Criar uma cultura consciente da segurança e promover a sensibilização para as ameaças à cibersegurança

Estudos de casos

Saiba como estamos a ajudar os nossos clientes a promover comportamentos positivos nas suas organizações

Terminologia de Segurança Cibernética A-Z

Glossário de termos de cibersegurança obrigatórios

Modelo de maturidade comportamental em cibersegurança

Audite a sua formação de sensibilização e compare a sua organização com as melhores práticas

Coisas grátis

Descarregue os nossos activos de sensibilização gratuitos para melhorar a sensibilização para a cibersegurança na sua organização

Voltar
MetaCompliance | Formazione Cybersicurezza per Aziende

Sobre

Com mais de 18 anos de experiência no mercado da cibersegurança e da conformidade, a MetaCompliance oferece uma solução inovadora para a sensibilização do pessoal para a segurança da informação e para a automatização da gestão de incidentes. A plataforma MetaCompliance foi criada para responder às necessidades dos clientes de uma solução única e abrangente para gerir os riscos pessoais relacionados com a cibersegurança, a proteção de dados e a conformidade.

Porquê escolher-nos

Saiba por que a Metacompliance é o parceiro de confiança para o treinamento de conscientização sobre segurança

Especialistas em envolvimento de empregados

Facilitamos o envolvimento dos funcionários e a criação de uma cultura de consciencialização cibernética

Automação da Sensibilização para a Segurança

Automatize facilmente a formação de sensibilização para a segurança, o phishing e as políticas em minutos

Liderança

Conheça a Equipa de Liderança da MetaCompliance

MetaBlog

Mantenha-se informado sobre tópicos de formação de sensibilização cibernética e mitigue os riscos na sua organização.

O que é tailgating no trabalho e por que é uma ameaça cibernética?

O que é tailgating no trabalho e por que é uma ciberameaça?

sobre o autor

Partilhar esta publicação

Compreender o tailgating na engenharia social

O que é tailgating? Tailgating é uma técnica de engenharia social utilizada por indivíduos que procuram obter acesso não autorizado a áreas seguras, seguindo de perto uma pessoa autorizada. Esta tática explora a cortesia humana, permitindo que o infiltrador ganhe acesso sem a devida autenticação.

Os títulos das notícias estão repletos de violações de segurança maciças e os analistas explicam-nos os hacks frequentemente complexos envolvidos.

Frank Abagnale foi um dos piratas informáticos mais infames do mundo. As suas actividades criminosas ficaram famosas no filme sobre a sua vida, "Apanha-me se puderes". Frank fez grande parte da sua atividade de hacker na década de 1960. Utilizou técnicas de engenharia social de baixa tecnologia, incluindo o "Tailgating", para se fazer passar por um médico e um piloto e facilitar várias fraudes financeiras. Durante as suas burlas, Frank usava identidades falsas para falsificar cheques e descontá-los. Frank roubou grandes somas de dinheiro e acabou por ser condenado a 12 anos de prisão por fraude. Desde então, Frank deixou a sua vida de crime para dar conselhos sobre como prevenir o cibercrime.

Frank utilizou a engenharia social para cometer fraude manipulando situações e pessoas. Estes métodos de ataque centram-se tipicamente nas fraquezas do comportamento humano, explorando-as para iniciar ataques cibernéticos incluindo danos criminosos, roubo de inventários, infecção por resgate, Business Email Compromise (BEC), e exposição de dados. O termo "engenharia" desmente a natureza frequentemente subtil e de baixa tecnologia de muitas questões de engenharia social. Aqui está um olhar sobre a táctica de hacking de baixa tecnologia conhecida como 'tailgating'.

O que é o tailgating no contexto de uma ameaça cibernética?

As manchetes das notícias estão cheias de violações maciças de segurança, os analistas levam-nos através dos hacks frequentemente complexos envolvidos. No entanto, nem todos os hacks são digitais; muitos são conseguidos utilizando tácticas de baixa tecnologia. Mas mesmo estes ataques de baixa tecnologia ainda podem resultar em grandes violações e roubos.

Tailgating, por vezes conhecido como 'Piggbacking' é uma forma de engenharia social de baixa tecnologia que é um hack físico, em vez de digital. No entanto, este ataque físico pode levar a um ataque cibernético digital.

Um exemplo típico de "tailgating" é o de um fraudador que obtém acesso a um edifício empresarial fingindo ser um visitante legítimo ou uma pessoa de entrega ou similar. Colin Greenless, consultor da Siemens Enterprise Communications, demonstrou, em 2009, quão fácil era o "tailgating" e quão prejudicial poderia ser. Greenless obteve entrada não autorizada num edifício de uma instituição financeira listada FTSE 100, e dentro de 20 minutos tinha encontrado um documento M&A altamente sensível sentado à vista de todos sobre uma secretária.

A psicologia do tailgating ou piggbacking

O ato de "tailgating" ou "piggbacking" tira partido do comportamento e das situações humanas. O tailgating é uma tática de engenharia social in-situ, ou seja, o tailgater deve estar fisicamente no ambiente que pretende explorar. Este facto traz à tona outros factores importantes para o sucesso do tailgating, nomeadamente o pretexto.

O pretexto é provavelmente tão antigo como a sociedade humana. É o acto de se apresentar como outra pessoa para obter informações sensíveis ou importantes de outro indivíduo ou grupo, um pouco como Frank Abagnale. No acto de tailgating, o infractor assume frequentemente uma forma de identidade que torna o alvo mais aberto à revelação de informação ou à realização de um acto (como abrir uma porta). O pretexto requer investigação sobre um alvo. É também construído sobre a noção de confiança - que pré-requisitos ajudam a construir uma pessoa de confiança para tornar qualquer cenário de engenharia social mais bem sucedido? Por exemplo, se o engenheiro social desejar seguir uma empresa alvo, pode passar algum tempo a observar os tipos de visitantes que aparecem no edifício da organização; existe um tempo específico em que as entregas são feitas, por exemplo. Esta recolha de informações permite ao defraudador construir uma pessoa de confiança que pode utilizar para manipular e influenciar os empregados a permitir-lhes entrar num edifício ou sala normalmente seguro.

Os danos do tailgating ou piggybacking no local de trabalho

O tailgating não é apenas um caso de alguém que faz de tolo e entra num edifício por causa de uma cotovia. O tailgating tem intenções maliciosas, e os perpetradores executam este acto para causar danos materiais, roubar informação, instalar malware, e até pôr em risco a vida do pessoal. Num inquérito recente de Boon Edam, 71% dos inquiridos sentiam-se em risco de uma violação física devido a um tailgating.

O tailgating vem sob qualquer forma e aqueles que o realizam podem ser ex-empregados ou estranhos.

Ex-empregados: De acordo com a investigação, 80% das reivindicações de ciberresponsabilidade provêm de negligência dos empregados, incluindo os empregados desonestos. Estes ex-funcionários estão frequentemente descontentes, procurando vingança e danificando bens, e roubando informação da empresa e dados sensíveis para decretar esta vingança.

Perigo estranho: Polidez pode levar ao roubo de dados e infecções por malware: durante o exercício de Colin Greenless tailgating, 17 empregados, a pedido, deram a Colin as suas palavras-passe. Os infractores normalmente planeiam o seu ataque com bastante antecedência. Sabem quem atacar, e além das senhas, os crachás de acesso estarão na sua lista obrigatória. Ser educado para com um estranho pode levar a contas comprometidas, a uma violação de dados e até mesmo a uma infecção através da instalação de malware.

Como parar o tailgating?

Uma política de segurança é um primeiro passo importante no desenvolvimento de métodos para pôr cobro aos eventos de tailgating. A política deve refletir os métodos de "tailgating" e a forma de travar o "tailgater" no seu caminho. Para pôr cobro ao "tailgating", antes que este se infiltre na sua organização, é necessário ter em conta os seguintes domínios:

Fundamentos

Ensinar aos empregados sobre o que é o tailgating, como acontece, e as consequências. Isto deve fazer parte de um programa de Formação de Sensibilização para a Segurança em curso. Os programas de sensibilização para a segurança devem cobrir todos os aspectos das ameaças cibernéticas, tanto a segurança digital como a segurança física.

Vigilância

Encorajar uma atitude vigilante por parte dos empregados. Qualquer pessoa que pareça suspeito deve ser desafiada a fornecer credenciais. Melhor ainda, estabelecer um processo para que os empregados possam informar um membro ou gerente da equipa de segurança relevante sobre as suas suspeitas.

Sensibilização ambiental

Formar os empregados sobre acções de "tailgater", tais como a tentativa de obter acesso físico a áreas restritas, à medida que uma pessoa autorizada entra no espaço. Assegurar que os empregados saibam que o tailgating envolve truques de confiança utilizados para construir confiança.

Assertividade

Ser educado é importante, mas ser assertivo pode ajudar a evitar uma grave violação da empresa. Os empregados precisam de ser ensinados sobre os truques do comércio de tailgating e como estes criminosos usam o medo de parecer indelicados para contornar a segurança.

Feche a porta em tailgating ou piggybacking

Colin Greenless era um hacker de chapéu branco, e as suas escapadelas foram tornadas transparentes para ajudar a prevenir a prática de tailgating. No entanto, o tailgating continua a ser um evento comum. Um exemplo mais recente envolveu uma mulher que conseguiu aceder a uma área restrita do Mar-a-Lago Trump Resort, transportando quatro dispositivos móveis, um computador portátil, um disco rígido externo e uma pen drive contendo malware. Mesmo com os níveis de segurança presidenciais em vigor, ela conseguiu contornar a segurança fingindo não entender as perguntas do pessoal de segurança, o resultado foi que "o pessoal de segurança culpou uma barreira linguística e admitiu-a".

As pessoas com intenção de prejudicar uma organização e/ou cometer fraude trabalharão arduamente para puxar a lã para cima dos olhos dos empregados. Traços humanos como a cortesia ou a falta de vigilância ou simplesmente a distracção pelo trabalho podem levar a que indivíduos nefastos entrem numa organização com intenções maliciosas. Os empregados devem ser alertados para os perigos do que pode parecer inofensivo, como alguém a entrar num escritório que talvez não devesse lá estar. A Formação de Sensibilização para a Segurança fechará a porta ao tailgating e dará aos empregados os conhecimentos necessários para enfrentar este problema insidioso.

Outros artigos sobre a formação em sensibilização para a cibersegurança que poderão ser do seu interesse